A queda do 3G e o surpreendente avanço do Roaming VoLTE na América do Norte

Por Nina Le Richardson, Directora de Gerenciamento de Produtos

Enquanto as operadoras de rede móvel implantam o 5G, a desativação do 3G é, compreensivelmente, uma prioridade. As operadoras precisam de espaço de espectro à medida que implementam o 5G e simultaneamente mantêm outros serviços, como Long Term Evolution (LTE) para 4G e Voice over LTE (VoLTE). A desativação do 3G poderia deixar milhões de assinantes sem serviços de voz quando em roaming em redes LTE; um problema que criou uma necessidade gritante para as operadoras estabelecerem rapidamente as capacidades de roaming VoLTE.

A implantação do VoLTE progrediu modestamente nos últimos anos. A GSMA informa que 95 mercados estão ativos com serviços VoLTE comerciais, mas apenas cerca de 32 mercados têm acordos de roaming VoLTE de entrada. Por que tão poucas operadoras estão investindo nessa tecnologia tão crucial? 

O segundo post de nossa série 5G examinou alguns dos fatores em jogo aqui. Nem todas as redes LTE e VoLTE lançadas oferecem cobertura LTE / VoLTE em todo o país ou suportam roaming. O roaming de voz ainda é largamente dependente do Circuit Switched Fall Back (CSFB), que utiliza cobertura 3G para fornecer voz e SMS onde VoLTE não está disponível. Também houve alguns atrasos na implantação inicial devido a problemas técnicos. Em outras palavras, as operadoras puderam contar com o 3G para fornecer serviços de voz enquanto os consumidores estavam em roaming, reduzindo assim a urgência de oferecer VoLTE como alternativa.

Um cenário semelhante surgiu em 2013, quando as operadoras começaram a desativar o 2G. Conforme o mundo se voltava para o 4G, as operadoras de Acesso Múltiplo por Divisão de Código (CDMA) e Sistema Global para Comunicações Móveis (GSM) foram forçadas a convergir em LTE e VoLTE depois que suas ofertas de 2G foram suprimidas. Os operadores da Competitive Carriers Association (CCA) uniram forças para resolver o dilema que se aproximava rapidamente. Eles criaram o LTE Roaming Data Services Hub e se tornaram o primeiro consórcio de operadoras do mundo a lançar coletivamente o roaming VoLTE enquanto desenvolviam uma cobertura 4G nova e específica na América do Norte, voltada para roamers VoLTE domésticos e internacionais. Já houve 14 lançamentos de roaming VoLTE com membros do CCA até o momento desta publicação.

A proliferação de lançamentos de roaming VoLTE na América pelo hub CCA LTE, alimentado pela TNS, foi ainda mais longe com a criação de um hub de roaming multilateral, no qual as operadoras CCA consolidaram sua cobertura e acordos de roaming em um único contrato de roaming, centralizaram seus gerenciamentos de LTE e VoLTE com a TNS. Com esta abordagem inovadora de roaming, as operadoras CCA se conectaram ao cenário global de roaming 4G e ultrapassaram o requisito 3G diretamente para LTE e VoLTE.

As operadoras de todo o mundo enfrentarão coletivamente o mesmo dilema que o CCA experimentou em 2013, quando a desativação do 3G for acelerada e a cobertura do CSFB diminuir. Este é o momento de acelerar o roaming VoLTE. Os investimentos mais importantes de capital em VoLTE por operadoras, especificamente em núcleos de IP Multimedia Subsystem (IMS) que permitem que chamadas de voz sejam feitas sobre IP em vez do CSFB usado anteriormente, são necessários para manter os níveis atuais de serviços de voz em roaming global. À medida que mais redes 3G são desativadas, existe o risco de destinos sem serviço de roaming de voz da operadora, apenas alternativas OTT e também uma significativa falta de suporte para requisitos regulamentares, como chamadas de emergência.

A TNS criou um núcleo IMS virtualizado que as operadoras podem usar para implantar rapidamente o roaming VoLTE, independentemente dos recursos do núcleo IMS em suas redes domésticas.

Habilitar VoLTE junto com serviços de dados de próxima geração será extremamente importante nos próximos anos para ajudar as operadoras a melhorar a eficiência da rede, liberar espectro adicional e criar novos fluxos de receita para seus negócios, ao mesmo tempo em que melhora suas experiências gerais de assinante e roaming, oferecendo recursos de voz em qualquer lugar onde houver consumidores móveis. O avanço do roaming VoLTE deve continuar por muitos meses e anos.

Deixe seu comentário, crítica ou sugestão

Ao acessar o nosso site, você concorda com o uso de cookies para analisar e produzir conteúdo e anúncios adaptados aos seus interesses. Leia nossa Política de Cookies.